Total de visualizações de página

quinta-feira, 24 de março de 2011

PEDRINHO MENDES - Nosso Gilberto Gil


Amigos do Papoco.
Depois da preguiça pós-carnaval, volto a escrever aqui no blogue.
Refletindo sobre o cenário da música natalense, o que não me canso de fazer, resolvi prestigiar, e já não era sem tempo, o compositor da música que é considerada por muitos o Hino de Natal.
Pedrinho Mendes, compositor de Linda Baby.
Hino de Natal? Extra-oficial, tudo bem. Mas a verdade é que é a canção que melhor nos representa, assim como “Sampa” está para São Paulo e Garota de Ipanema para o Rio de Janeiro.
Nascido em Parnamirim/RN, no ano de 1963, Pedrinho é um autodidata confesso.
Aos 10 anos, ganhou um violão do seu pai e logo tomou gosto pela música. Aos 14 anos, colocou o violão na mochila e foi morar em Fortaleza. Estudou em colégio militar, fazendo parte da banda marcial estudantil e já naquela época começou a compor seus primeiros versos. Três anos depois, Pedrinho retornou a Natal onde começou a tocar na noite, em bares como o Beco da Música, ao lado de Chico Elion.
Em 1980, o artista já era uma figura concorrida nas noites natalenses, trabalhando profissionalmente nos melhores barzinhos. Em 1986, mais maduro, resolve gravar seu primeiro trabalho, Esquina do Continente, projeto que o lançou definitivamente no cenário cultural de Natal e de todo o Rio Grande do Norte.
Dentre as composições, destaque para Linda Baby, a música que despretensiosamente popularizou-se como o Hino de nossa cidade.
Pedrinho é tido pelos músicos natalenses como o “nosso Gilberto Gil”. E sem nenhum exagero reitero a afirmação, ele é nosso Gilberto Gil sim, nosso Caetano, nosso poeta, cantor e instrumentista de grande talento.
Portanto, para quem ainda não conhece o seu trabalho, e para aqueles que não conhecem nossa queria cidade, parafraseando o homenageado de hoje voz digo: “aqui não tem avenida São João nem o mesmo padrão que se vê por aí”, mas tem o nosso padrão, o nosso valor, os nossos talentos. “Venha, pois não dá pra dizer tudo no papel.”