Total de visualizações de página

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

ANTÔNIO DE PÁDUA


Importado diretamente da Paraíba, Antônio de Pádua elegeu a cidade do sol sua
nova morada. Foi no final dos anos 90 que o bacharel em trompete pela UFPB veio
de mala e cuia para Natal com um objetivo: mostrar seu talento e passar um pouco
de seus conhecimentos musicais.
Além do instrumento de sopro, Pádua também toca pandeiro, violão de sete cordas
e cavaquinho, sendo referência neste último pela técnica aprimorada e muita
criatividade, qualidades que o tornaram o professor mais requisitado pelos
adeptos desse peculiar instrumento de cordas.
Diariamente envolvido com sua carreira de músico e professor, Antônio ainda
arranja tempo para produzir o trabalho de outros artistas, emprestando um pouco
de seu talento para os projetos dos quais é convidado a participar.
Na infância e a adolescência, participou de orquestras na Paraíba e atuou nas
Sinfônicas da Paraíba e do Rio Grande do Norte e na Filarmônica Norte-Nordeste.
Desde então, vem participando e ganhando prêmios com diversos grupos e bandas
marciais do Nordeste. Dentre eles, está a Orquestra Metalúrgica Filipéia, que
rendeu uma apresentação na França e a gravação de um CD, em 2000.
A gravação de um CD solo ocorreu em 2004, intitulado “Sentimento Nordestino”. As
13 faixas, todas autorais, resumem a trajetória musical de Antônio, viajando
pelos ritmos brasileiros: do erudito ao folclórico, do samba ao choro.
Lançado em 2008, “Um olho no peixe, o outro no gato” é seu segundo CD, que se
transformou também em DVD, em 2009.
Em 2010, Antônio se aventurou pelo teatro e estreou com o musical “O Ratinho
Teobaldo”.
Esse ano resolveu investir em sua carreira acadêmica, o que o fez reduzir sua
carga horária de professor para dedicar-se a um mestrado.
Ah, e fora tudo isso o cara ainda é um excelente fabricante de pandeiros.
Como é possível? É fácil! Sua família é musical. Esposa e filhos são músicos que
vivem da música com dignidade e muita alegria. Esse é o segredo de Pádua.
Todo sucesso pra você amigo.


3 comentários:

  1. Tereza D'Ávila1 de fevereiro de 2011 20:48

    Conheci o trabalho de Antônio de Pádua, como conheci tantos outros, numa noite no Veleiros Restaurante.
    Simplesmente fantástico, mas devo assumir que seu filho caçula roubou a cena com sua musicalidade precoce, simpatia e presença de palco - o menino é uma figura.
    Tão divertido, irreverente, ver uma família inteira dividindo o mesmo palco, dá vontade de ter uma igual.
    Noutra oportunidade, lá estava Pádua, novamente com sua trupe, no Som da Mata, fazendo um frevo danado de bom com o Gilberto Cabral... Ah como Natal tem músicos bons!

    ResponderExcluir
  2. Oi Hique querido,
    Deixei de acompanhar teu blog durante este mês, porque tive uma ocupação especial que me proporcionou muita alegria: a visita de meu filho, Jussara e Aline o que me deixou muito feliz, pena que foi por tão pouco tempo.

    Acabei de ler tuas últimas postagens inclusive os comentários e percebi que não perdeste a linha, continuas apresentando, com louvor, os músicos e cantores desta terra maravilhosa.
    Só lastimo não poder mais viajar até aí, onde naturalmente não deixaria de assistir algumas apresentações. Mas, acompanhando teu blog e escutando teu cd dá para sentir o som de Natal e matar um pouco a saudade de vocês.
    Um beijo carinhoso da vó que te admira.

    ResponderExcluir
  3. Querida Tereza,
    O filho de Pádua é uma onda. Pense num moleque talentoso, rsrsrs.
    Antônio tem uma família abençoada.

    Abraços
    JH

    Vó,
    Aline manda um grande beijo pra senhora. Ela adorou as férias.
    Quanto a não poder vir pra cá discordo. A senhora esbanja saúde e pode, sim, vir apreciar um pouco da música natalense.
    Abraços calorosos desse neto que te ama.
    Hique.

    ResponderExcluir